Casas pequenas

Ver por baixo da cama.

Olhar por cima do roupeiro.

Espreitar por trás do sofá.

Dar uma vista de olhos por baixo da mesa.

Levantar os chapéus.

Escrutinar as paredes.

Observar por cima das gavetas.

Abrir a janela.

 

Achamos sempre que uma casa pequena é um misto de preocupações. Porque tem pouca arrumação, porque não conseguimos ter “aquela” peça especial em destaque. Mas não é verdade. É tudo uma questão de perspectiva e de criatividade. Uma casa PEQUENA tem um potencial GIGANTE. Não acreditam?

Basta ser-se optimista! Pensar em possibilidades em vez de limitações. Ver realmente as superfícies não utilizadas, mudar a forma de pensar em termos de espaço vazio desperdiçado. Pode ser um espaço transformado em arrumação e ainda conseguir mantê-lo encantador.  Pensem em coisas que podem ser retiradas, enroladas,  dobradas para cima ou para baixo, separadas ou elevadas. O espaço pode não “existir”, mas pode ser “criado”. Não pensem apenas no espaço do chão, como todos temos tendência para fazer, mas nas possibilidades que dispomos até ao tecto.

Outra lição divertida é ser-se radical! A coragem de ser inconformista é essencial para se viver bem num espaço pequeno. Devemos criar uma casa confortável e optimizada. Não faz mal abdicar do sofá e ter apenas uma cama que sirva os dois propósitos, por exemplo. Vamos dar-vos soluções inteligentes, divertidas e práticas:

LUZ

As casas pequenas tendem a ser mais  escuras e parecem ser mais pequenas do que realmente são. Tentar aproveitar a luz o mais possível. Instalar clarabóias, pintar as paredes e os tectos de cores claras e esquecer os cortinados de forma a maximizar a luz.

MATERIAIS

Um dos truques para potencial um espaço pequeno é usar os mesmos materiais do pavimento em todo o lado de forma a uniformizar os espaços e fazê-los parecer ligeiramente maiores. Ter o pavimentos e os móveis feitos do mesmo material e dos mesmos tons oferece uma percepção global de mais espaço.

MÓVEIS 2 EM 1

Optar por um sofá onde pode dormir ou por uma cama que também serve como sofá? A segunda opção é de longe muito mais criativa. Fica perfeito com grandes peças de tecido de linho e inúmeras almofadas. Ou uma mesa de cabeceira que é, na verdade, uma cadeira? Pode ser fixado um candeeiro quando está junto à cama e pendurar coisas nas suas traves das costas e no assento. Quando se tem visitas, passa para a sua função número 2.

PERFEIÇÃO VISUAL

As portas deslizantes nos roupeiros são quase obrigatórias. Assim como cestos e caixas devidamente etiquetados com o que lá habita. Significa que podem usar o espaço de forma optimizada e cuidada. Os armários/prateleiras superiores devem guardar itens que são usados sazonalmente. Como os fatos de banho no inverno e mantas no verão.

PAREDES DE APOIO

Sistemas de arrumação nas paredes, como estantes feitas à medida que abrangem a sua totalidade, do chão ao tecto. Livros, revistas, peças de arte que gostem de ter expostas, caixas e cestos de arrumação para papéis importantes, brinquedos, utensílios variados. Até a televisão pode estar lá “escondida” para criar um ambiente mais tranquilo. E aproveitar as prateleiras para fixar candeeiros e não ter de furar as paredes.

MESAS DOBRÁVEIS

Eram populares até ao séc. XVIII e talvez isso não seja assim tão estranho. Inteligentes e adaptáveis, ajustam-se a casas de todos os tamanhos. Podem servir apenas duas pessoas para tomar o pequeno almoço ou terem o tamanho ideal para receber um jantar de amigos. Servem também como óptimas secretárias se precisam de trabalhar a partir de casa.

O AR É A SOLUÇÃO

Rebaixar o tecto de um espaço para criar mais zonas de arrumação é uma solução radical. Se também quiserem utilizar zonas elevadas, podem colocar prateleiras sobre as ombreiras das portas e na vertical ao longo das paredes. Estas zonas acolhem imensa coisa e podem emoldurar um espaço de forma agradável. Simples cabides pendurados nas portas também são um óptimo apoio para pendurar roupa.

BANCOS EMPILHÁVEIS

Porquê ter meia dúzia de cadeiras à volta de uma mesa a ocupar imenso espaço todos os dias? Mesmo que recebam família e amigos uma vez por semana, são inutilizadas no tempo restante. Por isso, porque não optar por bancos empilhados que podem ficar num canto da casa e recorrer a eles apenas quando têm visitas?

DEBAIXO DA CAMA

Se tiverem espaço debaixo da cama utilizem-no! Caixas com rodas, para facilitar o acesso às mesmas. É um espaço “morto” que só acumula pó, mas que pode ter um papel brilhante na arrumação. Aproveitá-lo para guardar toda a roupa da cama ou os pijamas é uma mais valia.

MUDAR A FORMA DE PENSAR

A minha casa é gigante! Se a mantivermos arrumada, a nossa casa parecerá menos cheia. A iluminação também pode ajudar a criar uma sensação de mais espaço e de áreas mais calmas. Da mesma forma, um espelho é uma boa forma de criar a ilusão de mais espaço. Outra dica simples para evitar que uma casa pequena pareça demasiado cheia consiste em optar por poucas cores e materiais uniformes. Isto não cria mais espaço, mas a sensação de serenidade é maior.

 

 

Artigo baseado no livro “Tudo no seu lugar”, IKEA.

 

Escrito por: Joana

Joana. Casada com o João. Mãe do Sebastião. Mãe emprestada de uma Teckel, a Sushi, e de um gato rafeirão, o Tozé. Vive em frente ao mar e adora o campo. Quer alcançar o significado da palavra devagar. Viver devagar, saborear cada segundo e cada detalhe. Ler mais.

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *