Montessori, educar para a autonomia e curiosidade

Não somos nenhumas especialistas em educação mas, sobretudo desde que somos Mães, estamos mais atentas e despertas para estes temas que, naturalmente, envolvem a educação dos nossos filhos. Tal como já falámos aqui sobre a pedagogia Waldorf, hoje abordamos a filosofia Montessori.

Cá por casa não seguimos nenhuma metodologia e o Lourenço anda numa escola dita “regular” (isto é, também não segue assumidamente nenhuma destas pedagogias), mas gosto de absorver alguns princípios e ideias que me fazem sentido. Montessori é uma delas e, mesmo sem saber, sempre dei por mim a favorecer bastante brinquedos de madeira, que são utilizados nesta pedagogia. Acho-os muito mais bonitos do que os brinquedos de plástico e, por isso, os poucos brinquedos que comprei, sempre foram de madeira.

 

Outra das ideias que também sempre gostei, mesmo sem saber que estava associada a uma pedagogia em particular, é a de envolver as crianças, desde cedo, nas tarefas domésticas. Eles adoram e são óptimas oportunidades de desenvolvimento.

O método foi fundado por Maria Montessori, a primeira médica italiana, que viveu entre o final do século XIX e início do século XX. Baseia-se na promoção da autonomia, para que a criança aprenda por si mesma e siga o ritmo das suas descobertas. Deixar fazer, vigiando e ajudando se necessário, valorizando as actividades livres e acreditando no potencial da criança para fazer descobertas espontâneas.

Esta abordagem encoraja a criatividade, curiosidade e favorece um ambiente de exploração e investigação.

 

O ambiente Montessori

Os ambientes Montessori são simples, com tons neutros e naturais e muita madeira. Não existem demasiados brinquedos, mas áreas que foram especificamente pensadas para encorajar e suportar a aprendizagem da criança.

No centro do espaço, um tapete confortável convida à brincadeira.

Sem saber, esta é uma das coisas que me faz particular sentido. Acho que já temos demasiados brinquedos (até já demos alguns e mais se seguirão – estava a guardar alguns para a Teresinha), mas tento que estejam todos organizados e arrumados em áreas destinadas para esse efeito.

Um dos objectivos de um espaço Montessori é que seja seguro para a criança explorar sozinha. Os brinquedos e livros devem estar ao seu nível.

Esta é uma das vantagens da arrumação do quarto deles, que já mostrei aqui. As estantes mais altas têm os livros que são para lermos juntos antes de ir dormir e que ainda não quero que mexam sozinhos. Mas, nas estantes mais baixas, também existem vários livros, sobretudo de cartão, que podem explorar sozinhos. 

 

As camas, num quarto Montessori, devem ser baixas ou no chão, para permitir à criança entrar e sair sozinha.

Uma mesa e cadeiras pequenas, assim como um espelho à altura da criança, também são peças que encorajam a autonomia e a descoberta.

Simplificar o espaço ajuda muito. Ter poucas coisas visíveis e ir rodando os brinquedos, por exemplo, pode ser uma forma de ir oferecendo novidades mas também de praticar o minimalismo, como também já referimos neste artigo.

Apesar de também valorizar a brincadeira ao ar livre, a pedagogia Montessori traz os elementos da natureza para dentro do espaço. Coleccionar pedras, conchas ou folhas pode ser uma óptima forma de brincar e aprender. 

 

Brinquedos

Não existem ‘brinquedos Montessori’, mas existem algumas características que podemos ter em conta quando queremos escolher brinquedos enquadrados com esta pedagogia.

Para os bebés, os brinquedos devem ser simples, feitos de materiais naturais, como madeira ou algodão. São neutros em termos de género.

Para crianças mais velhas, tudo o que promova autonomia e faz-de-conta, assim como competências práticas, é óptimo.

Alguns exemplos: instrumentos musicais, carrinhos de madeira, animais como os da Schleich, quinta ou casinha de brincar, um ‘kit’ de limpeza mini, blocos de madeira, uma máquina fotográfica ou lápis de cera de abelha.

 

No IKEA encontram uma vasta oferta de brinquedos bem giros, quase todos de madeira, que se enquadram nesta pedagogia. Cozinhas e casinhas de brincar, objectos iguais aos dos adultos mas em ponto pequeno, material para pintar e mesmo soluções de arrumação perfeitamente alinhadas com Montessori.

Também podem encontrar aqui uma selecção de brinquedos para várias idades e lojas com óptimas sugestões, como a quer, a Cristina Siopa ou a Maria do Mar. Adoro todas e por mim todos os brinquedos deles eram assim!

 

Inspirei-me aqui para escrever este artigo.

Escrito por: Francisca

Alfacinha e fã assumida da sua cidade. Nasceu e cresceu em Lisboa e embora adore sair e viajar, gosta sempre de voltar. Gosta de dias de sol, flores campestres, coisas imperfeitas e mergulhos no mar. Ler mais.

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *