O minimalismo e as crianças

Um estilo de vida minimalista traz benefícios a todos. Imensos pais pensam que um estilo de vida minimalista está fora dos planos porque têm filhos – como se ambos fossem incompatíveis. Mas não é verdade. Os princípios do minimalismo podem ser facilmente alcançados por famílias pequenas ou numerosas e onde quer que vivam.

O minimalismo não só é possível com crianças como é um estilo de vida com óptimos princípios para eles:

Não precisamos de comprar coisas para sermos felizes

Não são coisas que nos trazem felicidade a longo prazo. Por muito que compremos o último brinquedo da moda ou a última novidade tecnológica, é uma alegria, momentânea, que passados dias (por vezes horas) já desapareceu.

Não precisamos de viver como todos as outras pessoas

Não é por toda a gente ter que precisamos de ir a correr comprar o que quer que seja. Cada família é uma família, com pessoas diferentes que as integram, e o que faz sentido para umas pode não fazer para outras.

Vivemos de acordo com as nossas possibilidades

Não é preciso começar a mostrar os extractos bancários aos nossos filhos, mas conversas sobre dinheiro, poupanças e créditos que existam, são importantes. Não os excluir da conversa e não evitar falar de dinheiro perto deles. É importante que cresçam com a noção da posição financeira que a família tem.

Ponderamos as nossas aquisições

É importantes dar-lhes oportunidade de crescer e manter a atenção nos seus interesses, por isso é preciso comprar brinquedos, roupa, material escolar ou de desporto. Mas incutir-lhes a ideia de que devemos ponderar tudo o que compramos. Isto é uma lição muito importante que eles retenham ao longo da vida: que compramos porque precisamos das coisas e não porque temos dinheiro para as comprar

Partilhamos com os outros

Crescer na generosidade. Ir com eles a instituições doar bens que já não precisamos, emprestar aos nossos amigos. Pedir emprestadas coisas que precisamos apenas numa única ocasião.

A confusão faz-nos perder tempo

O minimalismo cria uma casa sem confusão. E mesmo que se gere alguma momentaneamente deve ser resolvida para não gerar mais entropia.

Tempo juntos 

Uma casa minimalista e sem confusão, permite menos tempo a limpar, arrumar ou a procurar coisas. Liberta espaço e tempo para estarmos todos juntos.

Temos controlo sobre as coisas

E não ao contrário.

É possível viver o minimalismo com os nosso filhos. Requer mais esforço, paciência e ponderação. Deixo-vos uma lista mais prática de coisas a aplicar:

Explicar as vossas decisões – Os nossos filhos são pequenos humanos com pensamento racional. Assim, não importa que idade tenham, sentem-se com eles e expliquem as vossas decisões, incluam as razões deste modo de vida e e os benefícios que podem trazer. Mesmo os adolescentes, que possam achar que com este estilo de vida não vão poder comprar mais coisas. Não é esse o objectivo, mas sim ponderar as decisões futuras de compras que tenham de ser feitas.

Minimizar as coisas que já temos – minimizar as nossas próprias coisas como exemplo a seguir. É injusto pedir-lhes que o façam, senão o fizermos primeiro. Ao verem o nosso exemplo vão perceber a vantagem de ter menos coisas.

Remover as coisas que não usamos primeiro – minimalismo é possuirmos apenas aquilo que nos é essencial ao nosso dia a dia. Não guardarmos coisas que não precisamos, para nos focarmos no que realmente é importante. E a maioria das casas estão cheias de coisas que não precisamos e principalmente que não usamos. Comecem por aqui. Roupas que já não sirvam ou que já não gostem, brinquedos com que não brinquem ou outras coisas que já não sejam adequadas à idade deles. À medida que começam podem sempre por a questão “isto são coisas de que realmente preciso?”.

Focar na parte positiva – assim que comecem a ver coisas positivas ao longo do processo, é importante fazer essa referência. Mesmo que para nós, adultos, seja fácil ver as coisas a longo prazo, pode não ser para eles. O quarto deles está mais bonito e prático? Passam menos tempo em limpezas? É mais fácil encontrar as coisas? Notam menos stress e menos ansiedade? Estamos mais relaxados enquanto pais? Falem destas mudanças.

Mimar com experiências divertidas – à medida que vão fazendo estas mudanças no vosso estilo de vida, ficam com mais tempo para fazerem coisas enquanto família. Uma ida à praia, um passeio no parque, um fim de semana na cidade. O princípio não é ir gastar dinheiro nestas experiências, mas aproveitar o tempo juntos, de uma forma mais unida e focada.

Escolher com todo o cuidado as próximas aquisições – as crianças não vão deixar de crescer e de se desenvolver, ainda é preciso comprar roupas, materiais e brinquedos. Mas é importante começarem a comprar com consciência. Uma das formas mais fáceis de o fazer é substituir a pergunta “Quero isto?” por “Preciso disto?”

Definir os presentes de familiares e amigos – as crianças devem continuar a ter a oportunidade de receber presentes. É uma expressão de amor para com elas. Uma forma fácil de evitar coisas desnecessárias é dar uma lista de brinquedos, roupa, materiais ou experiências que sabemos que os nossos filhos precisam ou querem com algumas semanas de antecedência de aniversários ou ocasiões especiais aos nossos familiares e amigos.

Ser paciente – sejam pacientes com a vossa família. Deixem-nos fazer estas mudanças no tempo deles, sem impor o que quer que seja. Expliquem calmamente o que pretendem e o que pode vir de bom destas implementações e sejam o exemplo!

 

Escrito por: Joana

Joana. Casada com o João. Mãe do Sebastião. Mãe emprestada de uma Teckel, a Sushi, e de um gato rafeirão, o Tozé. Vive em frente ao mar e adora o campo. Quer alcançar o significado da palavra devagar. Viver devagar, saborear cada segundo e cada detalhe. Ler mais.

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *