Uma casa com cheiro a flores e portas abertas para o jardim

Não precisamos de bater à porta porque já está aberta para nos receber. Assim como todas as outras portas desta casa, no meio de um jardim ainda meio selvagem. A Maria recebe-nos de sorriso na cara e com ar atarefado. Ainda estão nos últimos acabamentos, embora a Maria acredite que daqui a uns tempos tudo estará diferente, uma vontade de mudar constante que herdou da mãe.

Aqui vivem a Maria, o marido e os três filhos. A Luísa, que ainda não tem seis meses, acompanha-nos na visita pela casa, sempre bem disposta. Afinal, está habituada a esta constante azáfama, porque a mãe trabalha em casa sempre com ela por perto.

A casa é super espaçosa. Datada dos anos 70, tentaram manter a estética dessa altura e trazer alguma modernidade com pequenas remodelações. Os quartos são simples e intimistas. De cores que reflectem a imensa luz que entra pelas janelas e com móveis, na sua maioria, reaproveitados. Antigos, de família, ou mesmo encontrados no lixo. Todos têm o toque mágico da Maria. Uma pintura mais rústica, puxadores encontrados na feira de velharias, cabides de talha antiga e que jogam na perfeição com a simplicidade da decoração.

As duas filhas dormem juntas num quarto simples e romântico. A tela na parede foi feita pela Maria, num rasgo de inspiração. No quarto do filho salta à vista o triciclo antigo e a secretária com o banco, achados impressionantes de uma antiga escola.

Nas três salas do andar de baixo – duas de estar e uma de jantar – o que nos salta à vista é o ambiente de conforto. Seja pela lareira em pedra, cheia de velas de diferentes tamanhos, pelas prateleiras feitas à medida, com livros quase de outro tempo, outros de design moderno, e objectos especiais. Muito espaço para os miúdos brincarem e as portas sempre abertas para o jardim, com um imenso potencial, mas que é a parte da casa onde ainda não houve tempo para investir como desejam. Muitos planos e muito trabalho atrasam a remodelação deste espaço, mas depois de ouvirmos as ideias da Maria ficamos com vontade de cá voltar mais tarde para o fotografar.

Num anexo à casa está o seu novo atelier. Aproveitou o espaço de uma das garagens, colocou uma bancada natural e algumas prateleiras com os seus utensílios. Faltam apenas as vidraças industriais que vão delimitar o espaço. Pelo chão muitas folhas e pétalas, resquícios do trabalho lindíssimo que a Maria faz, para o 2for1design. Aqui as plantas são tratadas por tu. Desde simples ramos de flores preservadas, a centros de mesa para eventos de centenas de pessoas, passando pelas fantásticas coroas de natal ou ramos de noiva. Mas dizer que a Maria é flower stylist é resumi-la demasiado. A Maria traz-nos inspiração em tudo o que toca. Flores, colagem, escrita e decoração, são algumas das áreas de destaque. No fundo, entregou a vida à estética.

Queres contar-nos um pouco mais sobre a história desta casa? Como a encontraram, que tipo de intervenções fizeram?

Muita gente me pergunta como em plena loucura imobiliária conseguimos esta casa(rão). A história é inacreditável, mas não podia ser mais verdade. Viviamos num mini T3, e deparados com os valores exorbitantes do mercado, fomos desafiados a vender a nossa casa, mas tínhamos uma voz que nos lembrava que por muito boa venda que fosse seria quase impossível encontrar melhor a um preço fantástico. Então pusemos o nosso sonho no universo e combinámos com um comercial de uma imobiliária que caso ele encontrasse a nossa casa de sonho, uma casa antiga com uma traça tradicional, sem precisar de muitas obras, com jardim generoso e perto do centro da nossa vila natal, lhe ”daríamos” o nosso T3 para ele vender. Imaginem o nosso espanto quando passados 2 meses ele nos liga e nos diz que tem a casa dos nossos sonhos, a um preço irrisório para o mercado e com tudo o que pedimos!

A casa estava parada nos anos 90 e com muito pouca coisa a fazer. O que fizemos foi basicamente modernizá-la e torná-la mais nossa, tinta, muita tinta e muito respeito pela sua história e pela sua traça original. Mudámos o chão de uma sala porque era mesmo preciso, mas mantivemos tudo o resto.

Com pena minha as casas de banho e cozinha já não eram as originais de construção (anos 70) pelo que tive de dar a volta com pinturas, mas quero muito um dia refazê-las mais à semelhança da época de construção do que propriamente torna-las moderníssimas, não é essa a nossa visão.

A família já aumentou desde que decidiram vir para esta casa. Espaço não falta e imaginamos que projectos e ideias também não! Quais são as zonas privilegiadas para os miúdos na casa e quais são os projectos que ainda pensam fazer?

A familia já estava à espera da Luisínha, antes de sequer comprarmos a casa. Acredito que nada é por acaso. E apesar de parecer que nos mudámos porque queriamos espaço para o bebé, que estava a caminho, não foi isso que aconteceu. A casa dos nossos sonhos caiu-nos nas mãos na melhor altura possível e o melhor de tudo é que ela é à medida certa dos nossos sonhos, temos espaços para ir gerindo a família à medida das nossas necessidades, a casa é super flexível em termos de espaços e dos vários proveitos que podemos tirar de cada um deles.

O teu trabalho passa bastante por trabalhar a partir de casa na parte das flores e também aqui tens espaço para isso. Como geres a relação trabalho-família?

Acho que todos os dias aprendo uma lição sobre o assunto, mas no meu caso acho que tem mesmo muito a ver com inspiração e motivação. Adoro o que faço e estou altamente realizada com o modo de vida que escolhi, para mim não faria sentido de outra forma. Sou uma pessoa que precisa de se sentir inspirada, motivada e acima de tudo feliz. O equilíbrio casa-trabalho surge, porque quero muito isto, a parte prática envolve muita organização e um bom jogo de cintura.

Outra das tuas paixões é a decoração e home styling. Sentes vontade de mudar a decoração toda de vez em quando, ou vês mais como um processo em evolução e construção?

Cresci com uma mãe designer de interiores, volta e meia chegava a casa e tinha tudo diferente. Odiava, achava que era impossível viver-se assim, mas claro que acabei igual. Não mudo a base dos espaços com muita frequência, mas sem dúvida que frequentemente faço um styling diferente, altero um pormenor aqui e ali, reorganizo prateleiras, mudo almofadas, etc. Tem graça porque o António e os miúdos não adoram mudanças, por isso naturalmente aprendi a controlar a vontade de mudar tudo a toda a hora.

Como descreverias o estilo da vossa casa?

Acho que é uma casa de família moderna, mas que reflete a história e o estilo original da arquitetura. Acho mesmo que tem um design intemporal, apesar de saber que não vai ficar assim para sempre, para além disso é transversal a todas as idades, sinto que tanto pessoas mais velhas como gente mais nova compreende o estilo mesmo que não seja o seu.

Com tanto espaço, imaginamos que gostem de receber amigos e família em casa. Qual a tua parte preferida na organização de um jantar ou de um evento em casa?

Ui, eu não gosto, eu adoro! Por mim fazia qualquer coisa todos os fins de semana. Adoro arranjar a casa, enchâ-la de flores, velas, por a música a tocar e por a mesa com cuidado. Faço sempre questão de ir ao mercado local, do qual sou assídua e comprar o pão local, os queijos regionais, as compotas caseiras, etc. Adoro criar mesas diferentes e adoro que as pessoas sintam que fiz tudo isto para elas. Gosto de criar pormenores que façam as pessoas sentirem-se mimadas e bem recebidas.

Alguma dica preciosa para quem quer fazer uma recuperação deste género?

O melhor truque para embarcar num projecto do genero é pesquisar a história da casa, a época, o estilo de arquitetura, ter uma base bem formada para depois desconstruir e criar algo nosso, personalizado e adequado à nossa família.Na parte mais prática, pedir o maior número de orçamentos possível e analisar ao pormenor, negociar e perguntar tudo antes da adjudicação. Controlar o mais possível as obras para evitar atrasos, falhas e enganos.

 

A Maria partilha parte do seu talento em workshops sobre vários temas. Podem encontrar todas as informações através do seu instagram. Algumas das criações da Maria estão também à venda na Casa do Pico (que já conheceram aqui).

 

Obrigada Maria, pela porta sempre aberta para nós e esperamos voltar a entrar daqui a uns tempos para conhecer as maravilhas que vais fazer no espaço exterior!

 

Escrito por: Francisca e Joana

Somos a Joana e a Francisca, alinhamo-nos na simplicidade das coisas e complementamo-nos nas diferenças do dia-a-dia. Queremos partilhar o que nos inspira e o que nos leva a ser mais felizes. Acreditamos que esta partilha tem também o poder de inspirar o mundo a fazer o mesmo. Ler mais.

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *