etc&co., o desafio de criar experiências visuais

A Maria já apareceu aqui, pois foi quem nos deu a honra de fazer a primeira House Tour e nos abriu as portas de sua casa, sem ainda o Fox&June ter visto a luz do dia. São pessoas como a Maria, que acreditam nos nossos projectos mesmo antes de eles se concretizarem, que dão ainda mais sentido a tudo isto. Agora, convidamos a Maria, designer e mãe, a falar um pouco do seu dia-a-dia, de como gere tão habilmente e com equilíbrio o seu negócio próprio e a família.

A Maria é co-fundadora do atelier etc&co, com escritório no Chiado, em pleno coração de Lisboa. Vive na zona de Cascais, nesta casa linda, com a família (que continua a aumentar!).

No atelier, criam imagens bonitas e desenvolvem experiências visuais. Fazem vários trabalhos, desde convites e toda a parte gráfica de casamentos e outros eventos, branding corporativo e, recentemente, abraçaram também o projecto de design da revista Tribo. Tudo em que se metem tem uma garantia: qualidade, um sentido estético único e um bom gosto irrepreensível!

tribo mag

 

O que mais gostas no teu trabalho?

Na verdade, gosto muito de poder acompanhar um projecto do princípio ao fim, mesmo que não ponha as “mãos na massa” que é o que cada vez mais acontece. Acabo por ter o contacto com os clientes, fornecedores, acompanhar o projecto criativo e garantir que corra tudo bem até ao processo final. Acho que sem dúvida a mais valia de se trabalhar por conta própria é não haver limites ou trabalho segmentado como acontece nas grandes agências, por exemplo.

Que tipo de projectos achas mais interessantes?

Sou designer gráfica de formação e no atelier etc&co trabalhamos essencialmente em duas áreas distintas: branding/corporate e weddings/events. Gosto muito de ambas e sinto que trabalhá-las constantemente em simultâneo dá um certo equilíbrio à equipa. São muito desafiantes graficamente e ambas com características muito próprias.

Fazes quase sempre o trajecto casa-trabalho de comboio. O que gostas de fazer neste momento?

Ao contrário de muitas pessoas adoro viver com uma certa distância entre casa – trabalho e acho que no meu caso é a ideal. Usualmente – e muito também pelo ritmo acelerado do Chiado – acabo por considerar a zona onde vivo uma “aldeia”.

O comboio torna-se quase a minha terapia diária. Se no Chiado emerge o ritmo, as pessoas, o frenesim.. quando chego a casa – e mesmo com duas crianças e uma terceira a caminho – consigo encontrar a tranquilidade e a calma que preciso. O comboio acaba por me preparar para estes dois momentos distintos. Usualmente de manhã vou a ler ou a pôr as noticias diárias em dia. Confesso que tento não ir aos emails ou tratar de assuntos profissionais até chegar ao atelier. À tarde muitas vezes dou comigo a enviar o “ultimo email” ou a fazer alguma chamada que ficou pendente.

Quais são, para ti, os aspectos positivos de se trabalhar no Chiado?

Na minha área uma das maiores vantagens é estarmos no centro de tudo. Se precisamos de inspiração ou de espairecer há sempre sítios giros, pessoas e locais para nos inspirarmos. No meu caso, se preciso de referencias especificas gosto de ir à Bertrand ou à Fnac folhear um pouco.

A cada sexta feira do mês tentamos também ter a nossa reunião mensal – fazer um brainstorming sobre os projectos que temos em mãos – fora das 4 paredes do atelier. Tentamos sempre ir a uma esplanada, um hotel mais trendy e que ainda não conhecemos ou a um restaurante que dê para ficarmos a trabalhar.

No nosso dia a dia acabamos por ser bastante rotineiras – almoços e cafés rápidos – mas em ocasiões especiais quer com a equipa quer com clientes – gostamos de gozar um pouco da nossa envolvência e somos fãs de alguns restaurantes aqui da zona como o boa bao, os vários do Avillez, de ir comer um bom gelado ao Amorino ou até mesmo de ir visitar uma exposição imperdível que esteja por perto.

Como vivem o Natal em vossa casa?

Adoro o Natal (e desde que tenho filhos acho que mais ainda!). Gosto de tudo, sobretudo das luzes da rua, dos programas natalícios e do espirito da cidade nesta altura. Tento sempre trazer este cheirinho mais cosy para nossa casa, desde as decoracões, às luzes, passando pelas músicas. Tenho a sorte de ter uma familia grande e, quer do meu lado, quer do meu marido, fazemos questão de o passar junto de quem mais gostamos (mesmo que a maior parte das vezes seja a confusão instalada), à volta de uma mesa bem composta!

 

Obrigada, Maria!

Escrito por: Francisca

Alfacinha e fã assumida da sua cidade. Nasceu e cresceu em Lisboa e embora adore sair e viajar, gosta sempre de voltar. Gosta de dias de sol, flores campestres, coisas imperfeitas e mergulhos no mar. Ler mais.

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *