Folegandros, a ilha onde o tempo abranda

No quinto dia da nossa viagem à Grécia, chegámos a Folegandros. Um barco que apanhámos de manhã em Naxos levou-nos até esta ilha, que nos conquistou desde o primeiro instante. Desembarcámos em Karavostasi, a pequena vila do porto, onde estavam à nossa espera para nos levar para o sítio onde iríamos ficar nas duas primeiras noites, na Hora, a três quilómetros dali.

Decidimos ir a Folegandros por ser a mais pequena das Cíclades (em contraste com Naxos), mas também por uma ou outra coisa que tínhamos lido e nos tinha suscitado curiosidade. Por ser uma ilha pequena e árida, com apenas 700 habitantes, não tem muita coisa para ver. Por isso mesmo, foi onde optámos por passar mais tempo, para simplesmente relaxar e abrandar o ritmo.

No primeiro dia, depois de um bom almoço, uma longa sesta e alguns mergulhos na piscina, decidimos ir explorar a Hora ao final do dia. A Hora tem uma mística qualquer digna de filme e todo o mood nos faz querer abrandar, relaxar e apenas aproveitar o tempo, o verão, o calor, estarmos juntos e estarmos bem.

Por uma passagem entra-se para o kastro, uma zona medieval murada onde, antigamente, os habitantes se protegiam dos piratas. Hoje em dia mantém-se com as casas encavalitadas nas ruas estreitas, varandas de madeira a espreitar entre as buganvílias, passagens em arco que quase nos obrigavam a baixar a cabeça.


As casas antigas caiadas de branco a contrastar com o azul das escadas e portadas de madeira são um marco desta parte, mas o resto da Hora também é um charme: uma data de praças, umas a seguir às outras, todas com restaurantes e esplanadas, que ao final do dia se enchem de gente e convidam a jantar al fresco.

Das cinco noites que passámos em Folegandros, jantámos sempre lindamente em sítios diferentes. A especialidade da ilha é a matsata, uma pasta fresca feita localmente, normalmente com algum tipo de carne guisada.

Não precisámos de casaco uma única vez. Não estava demasiado calor e a amplitude térmica era pequena, pelo que as noites também estavam óptimas. 

Para as crianças também é um sítio muito tranquilo, já que no centro não há carros e o Lourenço andava sempre feliz da vida de um lado para o outro, a pé.

Nas primeiras duas noites ficámos nuns apartamentos mesmo no centro (Folegandros Apartments), mas como já estava tudo muito cheio quando marcámos, tivemos de procurar outro sítio para ficar nos outros dias. Outra óptima opção para ficar são os apartamentos Anemomilos, que eram mesmo ao lado dos nossos, mas com uma vista incrível mesmo sobre o mar.

Escolher um sítio com piscina aqui é importante, porque, apesar de serem tudo distâncias curtas, é sempre preciso algum transporte para chegar às praias. Agkali fica a 10 minutos de autocarro, donde se pode depois apanhar um barco para Agios Nikolaos ou Livadaki. Do porto, existem algumas praias acessíveis a pé, mas a nossa preferida foi Katergo, a 15 minutos de barco.

Desde os nossos apartamentos, olhando para cima, vemos uma igreja – Panagia. Um caminho em zigue-zague sobe até lá e aconselham-nos a ir ao final do dia. A subida demora uns 15 minutos mas faz-se bem e o pôr-do-sol, atrás das montanhas sobre o mar, vale mesmo a pena.

Os dias foram passando ao sabor do que apetecia. De barco até Agios Nikolaos que, apesar de ser uma praia de pedras, se esconde numa baía com águas transparentes. Almoçar mesmo em cima desta água, no Papalagi, um peixe delicioso acabado de pescar. Finais de tarde pela Hora até a noite cair e nos sentarmos finalmente numa esplanada para jantar. Noites com um céu estrelado como há muito não via. 

Praias

Agkali (a 5 minutos de autocarro da Hora)

Agios Nikolaos e Livadaki (acessíveis de barco a partir de Agkali)

Katergo (a 15 minutos de barco do porto)

 

Restaurantes

Pounta – óptimo para pequeno almoço, com um jardim lindo atrás

Eva’s Garden – bom para jantar, convém reservar

To Goupi – tem poucas mesas mas vale a pena, já que dizem que é um dos melhores da ilha

Araxe – para almoçar à sombra, numa das praças da Hora

Vegera – o restaurante do nosso hotel (o segundo sítio onde ficámos), com uma vista bonita para o porto

Del capo del porto – óptimos sumos e bons petiscos, no porto

Irini – típico e muito castiço, com duas mesas na “esplanada”, para almoçar em Ano Meria 

Papalagi – para almoçar em cima do mar, em Agios Nikolaos

 

A não perder

Ir de barco até Agios Nikolaos e almoçar no Papalagi, mesmo sobre o mar

Os finais de tarde na Hora e passear pelo kastro

Subir à Igreja de Panagia para ver o pôr-do-sol 

Jantar numa das praças da Hora, a ver o movimento

Escrito por: Francisca

Alfacinha e fã assumida da sua cidade. Nasceu e cresceu em Lisboa e embora adore sair e viajar, gosta sempre de voltar. Gosta de dias de sol, flores campestres, coisas imperfeitas e mergulhos no mar. Ler mais.

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *