Quinta dos perfumes, uma piscina salgada no meio das laranjas doces

A Quinta dos perfumes dedicava-se à plantação de malvas nos anos 60 e tinha uma fábrica onde se extraía essa essência para o fabrico dos perfumes, daí o seu nome. Mas o negócio era pouco rentável e uma nova família decidiu aproveitar a riqueza do solo no sotavento algarvio para a reconverter num pomar de citrinos.

Está integrada no parque Natural da Ria Formosa, a apenas 10 minutos de Tavira e mesmo junto ao edifício principal está a linha de comboio. É uma experiência fantástica assistir à sua passagem ali tão perto durante o por do sol ou durante o amanhecer.

Os quartos são simples e minimalistas, com janelas duplas que não fazem adivinhar a linha ferroviária. Alguns deles têm terraço privativo que permite uma vista deslumbrante sobre o mar. Se não ficarem num desses têm sempre a possibilidade de aproveitar o terraço comum, com acesso ao bar, que foi o que fizemos para registar os três meses do Sebastião.

A ideia genial foi a construção da piscina no centro do pomar. Envolvida pelas diferentes laranjeiras e limoeiros, dá-nos a sensação de estar permanentemente com os sentidos alerta para todos os aromas maravilhosos.

Uma quinta simples, bonita na sua essência, sem luxos ou prepotências. Uma quinta cheia de charme e aromas deliciosos, com pouca gente na altura do ano em que fomos, Setembro. Foi a primeira vez que ficámos longe de casa com o Sebastião. A sombra das árvores em redor da piscina possibilitaram o ambiente perfeito para as sestas dele e para nós pudermos dar uns mergulhos e aproveitar um bocadinho do verão que estava a terminar.

Fomos ainda jantar a Tavira com uns amigos, uma cidade linda, rústica, tipicamente algarvia, com um ambiente calmo e descontraídos. Perfeito para ir em família ou com amigos.

 

Quinta dos Perfumes,

Tavira

 

Onde jantamos

Tasca do Zé André – petiscos de comer e chorar por mais

 

 

 

Escrito por: Joana

Joana. Casada com o João. Mãe do Sebastião. Mãe emprestada de uma Teckel, a Sushi, e de um gato rafeirão, o Tozé. Vive em frente ao mar e adora o campo. Quer alcançar o significado da palavra devagar. Viver devagar, saborear cada segundo e cada detalhe. Ler mais.

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *